quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Agir para Reflectir, Reflectir para Agir

“Duvide dos seus pensamentos perturbadores. Questione o seu sentimento de incapacidade, questione porque é que está programado para ser infeliz. Grite dentro de si. Critique a sua fuga. Critique as suas fantasias. Determine-se estrategicamente a conquistar as pessoas à sua volta. Retire o seu eu da plateia. Entre no palco da sua mente e treine ser líder de si mesmo. Faça-o todos os dias e em silêncio.”
Marco Polo In “A Saga de um Pensador”, de Augusto Cury

A solução para muitos dos problemas da existência humana é o...silêncio. No silêncio surgem os nossos pensamentos mais perturbadores, mas interpretado de formas díspares pela individualidade de cada um.

Uns acreditam na sua eterna incapacidade e na programação da infelicidade, imiscuindo-se ao seu papel de espectador no “palco da vida” e deixando que a “representação” os consuma.
Outros compreendem que, mais do que o sentido das questões inquietantes, há um sentido para a existência humana, vislumbram a sua imagem à semelhança do Criador, e assumem que os problemas são o efeito das opções tomadas e que o erro é a fonte do conhecimento experiencial.

Entre a passividade e a liberdade de acção, a escolha é tão óbvia como destemida, porque o medo oculta o único sentimento existente no domínio absoluto da Criação: o Amor! E, com amor, seremos protagonistas da nossa história, conquistaremos as personagens à nossa volta (nem que seja a conquista pela inveja de quem não compreende este sentido) e atingiremos o fim último da Criação: a redescoberta do Eu.

Sendo assim, usem o silêncio para ouvir a vossa voz interior (ou voz do coração) e descubram que as respostas para os nossos dilemas são intrínsecos ao ser humano, agindo pelas mudanças necessárias como fonte da redescoberta. Independentemente do nível de crença ou compreensão desta mensagem, a certeza de que somos sempre responsáveis pelo percurso de vida e pelas respectivas opções que tomamos, portanto não devemos lamentar-nos pelas suas consequências.

10 comentários:

Anónimo disse...

Sim somos responsáveis pelo que fazemos, pelo optamos, mas tambem pelo o que não fazemos e o que nao optamos!sim temos de aceitar as consequencias, enferntá-las e torná-las mais valias!mas tambem nao podemos esquecer que o que fazemos tem consequencias nos outros e vice-versa!por vezes magoamos e somos magoados, por vezes esquecemo-nos de respeitar o espaço do outro pensando somente em nós!só nos lembramos quando somos nós os atingidos e aí sim, reflectimos, muitas vezes pensando que somos umas vitimas nas maos dos outros!na verdade existem pessoas com uma grande capacidade de superar as consequencias dos actos (próprios e dos outros), mas tambem existem pessoas que se afundam pensado na infelicidade da vida!quando estamos mais abatidos parece que todo o mundo conspira contra nos e que a vida esta mal, mas só pode piorar, quando assim é, basta uma palavra amiga, um sorriso, um ombro onde podemos chorar e libertar a tristeza que nos consome. o mais triste nisto tudo é que muitas vezes estamos longe dos verdadeiros amigos!sim, amigos temos poucos, independentemente de sermos muito ou pouco populares!e isto nota-se quando acontecem situações mais desgastantes.nao quero com isto desculpar quando nos deixamos entrar na melancolia da tristeza e nos deixamos ir ao fundo, nao reagindo, não lutando!quero somente lembrar que, por muito que seja bom subir na vida, que por muito que seja bom ser o melhor, pensando somente em nós, não devemos esquecer que algum dia vamos tambem precisar de alguem, que algum dia podemos ser nos o ser pequenino que vemos no outro!

Gonçalo disse...

Olá caro anónimo(a), concordo contigo porque o que não fazemos também é uma opção nossa que muitas vezes magoa os outros. Agora o que poderá ser destacada é a nossa mais-valia interior para lidar com estas situações, sejamos a causa ou a vítima, e para isso a necessidade de aceitarmos a naturalidade da situação como resultado das opções tomadas em conjunto. Isto porque mesmo que não seja real intenção de magoar alguém, o facto de não fazer algo já pode ser um factor destabilizador devido a uma opção aparentemente fora do domínio do intencional.
Caso esta situação não seja resolvida através de uma busca interior do Eu, e caso acresça a falta de rede social e de amizade, ainda mais dificuldades surgem, mas acima de tudo devemos acreditar no valor que todos temos sem excepção, no facto de que somos todos especiais, apenas temos de descobrir esta imagem dentro de nós.
Os meus cumprimentos e sejam cuidadosos nas vossas opções:)

Rafeiro Perfumado disse...

E não esquecer o célebre ditado "mais vale permanecer calado e passar por tolo do que abrir a boca e esclarecer todas as dúvidas".

Abraço!

Gonçalo disse...

Olá Rafeiro Perfumado, há ditados em que por vezes questiono a sua validade e fazem mesmo apenas do saber comum. Este poderia ser um deles, porque é impossível esclarecer todas as dúvidas quando a verdade está ao alcance de todos e não há nada para aprender. Se isso fosse possível, muitos génios já teriam sido compreendidos no passado, o presente já teria sido redescoberto e os leitores deste texto reconheceriam-se nestas palavras e nem o questionariam, talvez nem fosse preciso este texto...mas muitos além de se questionarem, refutarão as palavras proferidas, o que é perfeitamente natural...
Um abraço e fica bem:)

andreia disse...

nem te digo o quanto o último parágrafo do q escreveste me fez pensar... espero q esteja td bem ctg.. beijinho*

Gonçalo disse...

Olá Andreia, não tens de dizer, apenas espero que tenha sido bálsamo para a alma...:)
Eu estou bem, penso que dá para notar, não?;)
Bacis***

White Angel disse...

Oi meu Anjo,

Ja li a "A saga de um Pensador", livro muito interessante que poem em causa muito d'akilo que somos e do que queremos ser. Nesse livro aprendi que muitas das vezes sofremos com determinados actos para o bem e para o mal, infligidos por nos proprios ou pelo os outros.
Sensato mesmo é aceitar essas consequencias de forma pacifica... mas nunca passiva... Sera que me entendes???

Um beijo enorme e um abraço cheio d'akilo que melhor tenho.

Gonçalo disse...

Olá White Angel, compreendo perfeitamente o que me queres dizer, sinto que falamos a mesma linguagem e para mim és uma das referências na filosofia que escolhi, já te disse mais vezes e continuo a dizer que és um anjo para mim que aparece quando mais preciso, porque também é essa a minha opção.
E quero muito aceitar essas consequências de forma pacífica mas activa, pacíficas porque são uma dádiva sempre gratificante para a redescoberta do Eu, e activas porque a evolução tem de estar sempre em causa de forma intencional, ou pela manutenção ou pela mudança.
Um beijinho grande para ti e bom fim-de-semana:)

Eli disse...

Uma frase para ti, uma partilha:

Ando a ler este livro.

(Era para te ter dito ontem, mas ainda não tinha passado da primeira parte - do livro e do post...)

Já li um deste autor e gostei muito, por isso comprei este e estou a ver que não sou a única!

:)

Gonçalo disse...

Olá Eli, já cheguei a criar uma crónica neste blogue sobre este livro porque é daqueles livros que recomendo a quem relativize o mundo físico e queira perceber melhor o sentido da existência. Enfim, um daqueles livros para ler com lápis na mão como eu tanto gosto:)
Um beijinho grande para ti*