segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Saudade: dor ou afago?

A ironia da vida mostra-nos que há sentimentos angustiantes e dolorosos justamente para com aquilo ou aqueles que mais amamos. Esta incoerência revela-se deveras interessante quando percebemos que um desses sentimentos, a saudade, é um estado de espírito tipicamente lusitano, a sua difícil tradução é prova disso. Desta forma, haverá alguma relação entre a palavra saudade e a depressão contagiante que une os portugueses? Acredito que sim, e a desmistificação da expressão ironia da vida e das palavras saudade e depressão, confirmarão a minha hipótese.

Assim, a ironia da vida é criada pela incoerência humana, como resultado de opções tomadas diferentes das desejadas e, principalmente, dependente de desejos alheios. Se o amor é um sentimento de paz e harmonia interior, qualquer coisa que se desvie desses efeitos desejáveis terá qualquer outro nome, mas amor não será, ironia talvez...E a diferença entre simplicidade e ironia está apenas na escolha individual de cada um.

Exactamente, a insuficiente decisão individual é o traço que une a saudade e a depressão, imbuídos num espírito de ironia de vida, na medida em que o sentimento saudade reveste-se neste caso de um desejo doentio, de uma dependência que espera e desespera, numa angústia da presença na ausência, transformando a capacidade em depressão.

Assim, consigo perceber dois tipos de saudade. A saudade doentia, que acumula sentimentos de dor e impotência, característica de pessoas que exigem o outro como o cerne do seu bem-estar interior, em detrimento do seu amor próprio. Neste caso, um sentimento tipicamente português, fruto de um povo que deixa o seu destino ao acaso e descrente das suas reais capacidades, tal e qual o princípio da depressão. Felizmente há a saudade saudável, digna de prazeres não-esquecidos e independentes de qualquer ausência, como resposta a sentimentos de bem-estar do passado, que se reflectem no presente com a tranquilidade de quem pode não ter nada, mas sente que tem tudo, é aquela que aquece o coração, mas que não arrefece o amor próprio...

Afinal de contas, qual a melhor saudade? A saudade que mata na ausência por inferioridade pessoal, ou a saudade que lembra a presença mas sem imperativo especial? A decisão é vossa!

Cumprimentos com saudade:)

34 comentários:

Silvia F. disse...

A saudade é difícil de definir pois depende muito da personalidade de cada um e principalmente das circunstâncias.

Contudo, penso que qualquer saudade, no início é sempre dolorosa, aperta o coração e provoca danos psicológicos em certos casos. Nessa altura é necessário um periódo de adaptação, deixar o tempo aliviar a dor até a saudade tornar-se amena. A dor acaba por passar mas a saudade fica sempre.
É uma outra forma de falar da saudade.
Preferia nunca sentir essa saudade que mata por dentro mas ao amarmos, não será inevitável?
Beijinhos

Gonçalo disse...

Olá Sílvia, fico feliz por enriqueceres ainda mais o meu blogue, a tua participação é sempre bem-vinda!:)
Julgo, na minha modesta opinião, que a inevitabilidade é o amor próprio, e com amor próprio conseguimos amar os outros sem qualquer tipo de dependência. E sendo assim, a saudade deixará de magoar e passará a acariciar como complemento ao nosso amor:) Enquanto esta persepctiva não for aplicada, a dor da nostalgia será uma inevitabilidade, sem dúvida...
Um beijinho grande para ti e volta sempre:)

Rafeiro Perfumado disse...

No teu texto dás logo a resposta, ao apelidares uma das saudades de "doentia". Qualquer coisa que seja em excesso será sempre maléfica. Ok, esxceptuando o prémio do euromilhões, mas tudo o resto é mau!

Gonçalo disse...

Olá Rafeiro Perfumado, no meu texto dou a resposta e a solução, porque está ao alcance de todos eliminar a "saudade doentia". Tal como está ao alcance de todos ganhar o Euromilhões, se jogarmos, obviamente...:P
Um abraço!

P.S.: O meu blogue consegue fazer de ti uma pessoa minimamente séria (LOL)

Eli disse...

Eu tenho uma forma muito própria de sentir saudade - a falta - assim como outros sentimentos relacionados ou não!

Acho que tenho até um poema (antigo) com esse nome!

Gonçalo disse...

Olá Eli, a falta existe devido à ausência, o importante é perceber a reacção individual de cada um a essa falta. Talvez no teu poema perceba melhor a tua reacção, e estou disponível para o ler se assim o entenderes e me enviares;)
Um beijo grande!

Anónimo disse...

Por eu te querer tanto é que sinto "saudades pois vc mexe com meus sentimentos; não como posse mais um complemento ao meu coração.
EU TE QUERO DE VERDADE. BEIJO.

Gonçalo disse...

Olá minha querida anónima;)

Afinal de contas os nossos sentimentos correspondem-se, porque também sinto saudades tuas, as tais saudades saudáveis que tu expressas como o complemento ao teu coração, também são o meu complemento!
Afinal de contas é possivel amar na ausência, sem que a saudade nos magoe, consegues sentir?;) Parece-me que sim:)

Um beijinho grande para ti, gatinha melosa;)

Rp disse...

A saudade doentia já não é tanto saudade... Não sei se me fiz entender. Já não é "saudável"...
Abraços
Gostei do blog!

Vera Carvalho disse...

Saudade ... só acrescento ao que já foi escrito. Saudade é SER Português

Anónimo disse...

Olá Gonçalo.
Já pouco te poderei dizer sobre "Saudade", os teus comentadores, quase todos, já responderam, mas mesmo assim vou dizer, que saudade, é lembrar a pessoa que nos faz sentir essa "Saudade", não importa o tipo de amor, porque a saudade essa é só uma.
Existe uma frase de um escritor muito conhecido, mas que de momento não sei o nome, e também confesso não me apetece levantar para ir buscar o livro, onde ele diz: "O amor é quando um pintor conseguir retratar na tela o silêncio de uma lágrima a cair", eu vou adaptar: A Saudade ..... e o resto é tudo igual.
Um beijo
Ana Borges

Eli disse...

Lembra-me um dia destes, ou procura-o! He He!!!

:)

Gonçalo disse...

Olá RP, seja bem-vindo ao meu humilde blogue:)
Consegui perceber a tua ideia, para ti saudade só existe uma, a saudável e mais nenhuma...tudo o que seja um desvio desse tipo de saudade é doentio para ti, e passa a não ser saudade, certo?
De certa forma concordo contigo, porque a partir do momento que percebi estes dois tipos de saudade também só quero conceber um tipo de saudade, a dita "saudável":)
Mas numa coisa estamos totalmente de acordo, eu também gosto muito do meu blogue:)
Um abraço e em breve com mais tempo prometo passar pelo teu;)
Volta sempre!

Gonçalo disse...

Olá Vera, sem dúvida, e não é preciso chegar ao tempo das caravelas para perceber isso, hoje em dia existe o Fado e a dificuldade intrínseca de traduzir a palavra saudade noutras línguas.
Beijinhos para ti**

Gonçalo disse...

Olá Ana, vou tentar reproduzir a tua frase para que todos leiam:

"A saudade é quando um pintor conseguir retratar na tela o silêncio de uma lágrima a cair"

De facto magnífica e aquilo que Realmente Quero Ser, se bem me entendes;)

Um beijinho para ti e já agora mexe mais esse corpinho, mais que não seja para pegar num livro e mudar de canal...:P

Gonçalo disse...

Olá Eli, com que então está aberta a caça ao tesouro:)
Ok, o teu poema será descoberto e terá a devida resposta;)
Beijinhos**

Eli disse...

Olá!

Andei a pesquisar e não tenho o tal post no meu blog que se chamava "Saudade", por isso, peço desculpa pelo lapso...

:)

Eli disse...

Bem... nem sei se te pedi desculpa no meu comentário anterior, mas resolvi explicar na mesma que andei à procura dele a não existe de facto e já sei que ou não está no blog e existe num papel qualquer... ou então, de tanto ter falado nela (saudade), acabei por nunca entitular um post com essa palavra!!!

Agora sim, posso desligar o computador e desejar-te "boa noite".

:)

Anónimo disse...

Gonçalo meu amor, sem maldade.
O peso da idade não me afectou minimamente o fisico, sou mais para o magro do que para o gordo, por isso para mim só mesmo ginástica passiva, embora pratique yoga, porque além dos estiramentos e alongamentos me fazerem bem ao esqueleto, a minha mente fica muito melhor. O peso da idade afectou-me sim o espirito, embora em sentido inverso, ou seja cada dia que passa, sinto as minhas ideias tornarem-se cada vez mais jovens.
Uma beijoca grande
AnaB.

Gonçalo disse...

Olá Eli, estás desculpada, mas vais ter de levar comigo na mesma :P
Esterei atento para unir os pedaços da palavra saudade nos teus textos e perceber o teu conceito de saudade.
Uma beijoca grande!

Gonçalo disse...

Olá Ana, qualquer idade é ideal para ginástica activa, tanto para gordos como para magros, faz parte de um estilo de vida saudável!
Julgo que o espírito jovem que falas representa a adaptação que revelas ao teu tempo, numa perspectiva modernista, tal como o jovem faz quando surge um conceito novo:)
Beijinhos grandes**

Eli disse...

Senti um pouco disso hoje. Dor ou afago?

Estava mesmo a pensar nisso...

:)

Gonçalo disse...

Olá Eli, e que tipo de saudade sentiste? Dor ou afago?:)
Beijinhos***

Eli disse...

Talvez dor, mas não sei ao certo... afinal as palavras nunca dizem exactamente aquilo que sinto.

Um pouco das duas, talvez.

Se te pareço confusa, não estranhes, pois não serias o primeiro (ou nem o último, quiçá).

Quanto à ideia, julgavas que eu nunca me tinha lembrado disso?!

Mas, aquele orgulho e um pouco de teimosia são capazes de me levar para outro caminho, que não o sugerido. Acontece-me inúmeras vezes!... Além do mais, tudo o que escrevo, sai directamente na hora, por isso, nunca iria reunir ideias, trabalhá-las e depois apresentá-las no blog, pois aquele espaço é fruto da minha inspiração momentânea!

Obrigada.

:)

Gonçalo disse...

Olá Eli, de facto para quem não te conhece profundamente torna-se difícil interpretar os teus textos, mas com cuidado consegui interpretar os teus sentimentos e os teus desabafos e percebo-te como algúém que sofreu, sofre mas continua com a sua personalidade vincada ao ponto de não ceder às sugestões alheias;)
Não me surpreendeste, quando fiz aquela sugestão ao mesmo tempo recordava-me que já me tinhas dito que escrevias no momento após um determinado "click", e assim é natural que não surja inspiração para algo imposto. No entanto, onde anda essa inspiração que não nos presenteia com mais um texto há cerca de uma semana?
Beijinhos***

Eli disse...

Surpreendida!!!

Agradavelmente surpreendida.

Sinto-me agradavelmente surpreendida, por ti.

De facto é uma boa sensação. Reparaste há quanto tempo não escrevia, quando nem eu o tinha feito.

Esse teu constatar deixa-me sorridente, por isso agradeço-te.

Quanto à outra parte, não, Gonçalo, não sou uma pessoa sofredora, nem sofri tanto assim!!!

O meu blog é um espelho de momentos que me inspiraram, só que, infelizmente, dá-me para escrever mais relativamente a situações de nostalgia (saudade :P) , desilusão, etc..

E... para não achares que as minhas partilhas se ficam pela metade, fica sabendo também que sou uma grande positivista e, quando me deste os primeiros conelhos, fiquei a pensar que era o que eu diria a alguém que escrevesse o que publiquei!!!

Eh Eh

1-1

Agora não ganha Gonçalo, nem Eli!!!

:)

Happy!!!

(:


"personalidade vincada ao ponto de não ceder às sugestões alheias;)"

Eu até gosto de ceder, mas tem que me apetecer!!!

hmmmm

Sendo assim, parece-me que estás a começar a ganhar-me!

(Brincadeira!)

Por fim, "presenteia" foi uma palavra um pouco forte, mas interessante, só que associada ao "nos" ?! Devias falar por ti, "me"!!!

Pensaste que eu não lia como tu e não dissecava um texto?!

Chegaste a cogitar na hipótese de tentar "corrigir-me" ou alterar um pouco dos meus textos sem me provocares?!

Não, seria impossível. Sou muito exigente, principalmente no que toca às palavras!

Finalmente, eu já tinha espreitado. Tinhas publicado os comentários sem resposta.

Sim, também sou atenta (quando quero).

Bem, já estás a ganhar 2-1...

Espero que não me deixes a perder muito tempo e me entregues um ou outro pormenor, como quem nem reparou...

Eh Eh

:hug:

Gonçalo disse...

Eli, se pegasse numa palavra para te descrever diria neste momento "Enigmática". Há já um bom tempo que não conhecia alguém que me fizesse tanto reflectir porque as tuas palavras guardam mistérios por vezes difíceis de decifrar(:S) Mas o tempo clarificará todas as minhas dúvidas:)

Compreendo agora mais um pouquinho do teu blogue, afinal não é um espelho completo mas um espelho da maior inspiração que existe para escrever, infelizmente as desilusões, a saudade,...E naturalmente o optimismo teria de existir, afinal esse até pode ser o nosso maior ponto de contacto, quem sabe?;)

Eu falei no plural no comentário que fiz porque eu e mais de metade do pessoal de Tondela ansiava-mos por um novo texto teu :P

De facto, és uma pessoa muito atenta, mas para ter publicado e respondido logo aos teus comentários teria de abdicar do jantar em família, e o arroz doce com canela que havia na mesa permitiu escrever com mais doçura:)

Já agora, nesta relação como na vida não há empates nem derrotas, há oportunidades de vitória e ambos estamos a ganhar!:)

Bacis***

Eli disse...

Tu já sabes o que dizer e como o fazer perante mim. Acredito que não se trata de um conhecimento da minha pessoa através das palavras que partilhamos, mas pelo que és, assim como me apercebi e te disse no primeiro comentário que te fiz. És um peixes verdadeiro, por isso é que entendo da tua essência e tu da minha. Sinto-me um bocadinho realizada com essa sensação, pois vejo muito de mim em ti e vice-versa e por isso é que esta troca de palavras se vai tornando um pouco viciante, mediante o tempo que dispomos para a efectuar!

Óbvio que fizeste imensamente bem em janatares primeiro e adocicares o quanto precisas, pois "nós" gostamos de ser bem tratadas!...

Ainda dizia outras coisas, mas tenho muito tempo...

:)

Eli disse...

SE NÃO ME ENGANO, NOVAMENTE, penso que tenho um post entitulado "Enigma"...

Foi mais um pensamento.

Ainda estou a pensar em "Tondela", mas já entendi.

:)

Gonçalo disse...

Não preciso de te conhecer para saber o que tenho a dizer, não estou com os outros para agradar, muito menos adapto a minha personalidade para que possa corresponder às expectativas alheias.
Este sou EU, sou pisciano com muito gosto e acredito que a nossa identidade astrológica possa favorecer a realização que sentimos um com o outro, neste momento, através da palavra.

Próxima pista: "Enigma"

Muito bem, espero decifrá-lo e descobrir mais um pouco de mim no teu "Enigma":)

Eli disse...

DUAS Pistas:

2006

Mesmo mês em que estamos.

É que seria muito mau teres que procurar em todos e não te quero praxar tanto (para já) senão ainda desistes!!!

Com uma audácia que por vezes me caracteriza, digo-te que vais descobrir que és mais enigmático do que imaginavas...

:))

Gonçalo disse...

Obrigado pelas pistas e pela rota do "Enigma" que estou a desfrutar:)
Até já;)

margarida disse...

Entrei aqui para comentar este texto tão bonito, mas confesso que me perdi na leitura dos teus comentários Gon e dos da Eli, que 2sim senhora, gostei da vossa forma de comunicarem,fico à espera dos proximos capitulos :)beijos para os dois

Gonçalo disse...

Olá Margarida, a Eli também gostava de escrever um livro, afinal de contas o endereço do blogue dela prova-o, e quem sabe se não escrevemos um livro do género do último que leste;)
Já sei que ficarias atenta aos nossos capítulos, pelo menos uma leitora :P

Aparece mais vezes linda, este blogue precisa de ti!:)