sábado, 12 de agosto de 2006

A Lei do Amor V


“Há outras causas que impedem o cumprimento da Vontade Divina. A mais maléfica e frequente é o Ego. Toda a gente gosta de se sentir importante, valorizado, reconhecido, galardoado. Para o conseguirem, geralmente utilizam os dons que a natureza lhes deu. Os elogios que recebem à sua forma de escrever, de cantar, de dançar ou de dirigir um país, faz com que se esqueçam da razão pela qual lhes foram dados esses dons. Se nasceram com eles, não foi para o seu brilho pessoal, mas sim para os porem ao serviço da Vontade Divina.” Laura Esquivel In A Lei do Amor

O reconhecimento que o ser humano exige para a sua vida, vangloriando-se pelas suas realizações pessoais pode distorcer a sua verdadeira missão de vida, servindo-se das suas qualidades para os colocar em função pessoal, em vez de as colocar em função da humanidade. Confesso que também procuro este reconhecimento, quiçá com alguma arrogância, porque acredito que o elogio e a palavra amiga de valorização pessoal são o alimento que sacia a minha vida...Talvez seja um alimento pesado que provoque uma congestão na missão de vida, mas ao mesmo tempo dá-me a força necessária para continuar a dar o melhor de mim em função do próximo...
No entanto, exijo de mim próprio um maior controlo na procura deste reconhecimento, esforçando-me ainda mais em dar, sem desejar previamente nada em troca, nem mesmo uma gratificação...Sei que isto pode provocar-me uma sentida carência afectiva, mas cumprirei sem impurezas a minha missão pessoal, sentindo a sua realização como o maior agradecimento...
Escrevendo, dançando, cantando ou dirigindo bem uma organização, uma coisa vos peço, sejam amigos da oferta sem esperar nada em troca...se assim for, todos daremos uns aos outros e não sentiremos a falta de nenhum tipo de reconhecimento;)

1 comentário:

MissPoetry disse...

Quando fazemos algo pelo outros, desse movimento de dádiva, recolhemos necessariamente algo para nós, mesmo que o outro não o reconheça. Até no altruismo, está presente, em certa medida, a busca da satisfação pessoal, já que, ao fazer algo pelo outro, recolhemos bem-estar e sentimo-nos especiais.
É evidente que o reconhecimento é um alimento da alma e mobiliza-nos para prosseguir no caminho da vida de nós para os outros.

Beijinhos