quinta-feira, 27 de julho de 2006

Adeus Vida Académica...



Celebrei hoje o final da minha vida de estudante, iniciando-se uma nova etapa no mundo profissional, mais propriamente na mais bela profissão do mundo, a enfermagem...
Referi que terminei a minha vida de estudante mas não deixei de ser estudante...A vida académica já partiu mas estudante serei sempre como forma de valorização pessoal e profissional, exigindo de mim próprio uma actualização contínua de conhecimentos científicos...
Tal como o padre referiu hoje na homília da missa de final de curso, a pessoa não é uma máquina, não podemos comparar o corpo do António ao motor de um Fiat (passo a publicidade)...E nessa procura constante do ser como um todo, é necessário continuar a ser estudante, observar, escutar, ler, aprofundar conhecimentos...Desta forma poderemos compreender melhor a pessoa e defender os seus direitos, sempre que eles estiverem em perigo, utilizando os mais recentes e os velhos conhecimentos científicos...Poderemos saber estar com o doente, mostrando-lhe uma postura adequada e reveladora daquilo que, talvez, o doente mais precisa: atenção...Poderemos ser o enfermeiro que o doente precisa naquele momento, adoptando uma filosofia e uma personalidade em enfermagem que ao satisfazer o doente, também nos realizará pessoal e profissionalmente...
No fundo, utilizando o saber saber, o saber estar e o saber ser, poderemos estar mais próximos do amor ao próximo, um das características de quem tem fé, como eu...A outra, como nos indicou hoje o padre, é o amor a Deus...Mas mesmo quem não tiver fé e não ame Deus, pelo menos ame o próximo...
Em suma, desejo um início de um novo ciclo cheio de grandes momentos, momentos que me façam rir, momentos que me façam exultar de satisfação, momentos que me façam amar o próximo e a Deus...Obrigado meu Deus por teres escolhido missão tão bonita para mim representada pela profissão de enfermagem...Vou procurar cumpri-la da melhor forma....

4 comentários:

sofia disse...

"Vou procurar cumpri-la da melhor forma...."...palavras tuas;)… Sei que o saberás fazer como ninguém... é bem evidente todo o teu querer e vontade insistente de ajudar o próximo, e a meu ver, não existe melhor forma de o fazer se não seguindo a bela profissão de enfermeiro…
Hoje encerrou-se a tua vida académica, mas como tu dizes, não se encerra a tua vida de estudante. Afinal, aprender é uma constante da vida. Fecha-se uma porta, em parte, mas abre-se outra… a de colocar em prática o que aprendeste durante a licenciatura, durante a vida académica que referes. A porta que se fecha é a chave que abre outra. No teu caso, penso que abre uma bela porta. A vida é mesmo assim…
A profissão de enfermeiro cai-te como uma luva. Não serei certamente a única pessoa a dizê-lo. A tua imagem mostra-me a força, a vontade, o querer ajudar e isso é, sem dúvida, muito bom.
Hajam mais exemplos como o teu… o mundo precisa de pessoas como tu… Parabéns Gonçalo… muitos parabéns… sê feliz nesta tua nova fase da vida…a fase da enfermagem propriamente dita…
Beijinhos ;)

MissPoetry disse...

Gonçalo:

É com grande alegria que te felicito pelo fim de uma etapa da tua vida e, consequentemente, o início de um novo ciclo!

Tenho a certeza de que serás um enfermeiro excepcional, aquilo que já conheço de ti, permite-me fazer esta afirmação! ;)

Todas as palavras seriam insuficientes para espelhar o que poderá ser o teu futuro...

Beijo especial!

;)

Anónimo disse...

Olá Gon, neste meu comentário a única coisa k posso fazer é dar-te os parabéns por teres conseguido o teu objectivo. Ao mesmo tempo dizer-te k é bonito a tua maneira de pensar, embora devas estar feliz e com orgulho por já puderes dizeres k és enfermeiro, com a tua humildade, dizes k vais continuar aprender e não pensares k só por já estares formado, sabes tudo. Até pq a tua profissão, como a própria vida é uma aprendizagem constante, tu já percebes-te bem isso. Sei k és um ser humano sensível e vais fazer o melhor ao exerceres a tua profissão, d certeza k vais ouvir os conselhos d kem tem mais experiência para seres um bom enfermeiro, pois o melhor já tu tens k é seres essa pessoa bonita k és e gostares d ajudar os outros.
Um beijo da tua amiga k t adora… Margarida

luis disse...

Amigo Gonçalo permita-me mais uma vez que assim o consider. Já o tinha dito num comentário anterior, vou hoje reforçar o que disse, sinto que a sua escrita faz sentido, sinto que deposita nela toda a sua riqueza, mas como sabe, e sabe isso melhor que eu, tal como quem escreve um livro, uma história, ou um manuscrito pode sempre haver algo que escapa sempre ao seu autor. Após anos e anos de estudo e de pesquisas que o levou a uma formatura é com grande satisfação que humildemente o vejo reconhecer que ainda tem muito para estudar, pela sua frente vai ter um intenso trabalho mas tal como acontece com quem escreve um livro, também o senhor pode ficar com a sensação de algo lhe poderá ter escapado. seja humilde porque Humildade não é posição de corpo nem tom de voz: é posição de espirito, que sabe o que é e o que pode, e não precisa manifestar-se aos outros: vale por si mesmo. Não permita que a vaidade, e os interesses pessoais o desviem da missão, a que se propôs.também sei que de uma maneira geral todo o ser é ambicioso, contudo a ambição também é uma questão de valor que não devemos desprezar, se pensar-mos que esse estado de ambição não deve ser no sentido de uma ambição desmedida e sem qualquer caracter de honestidade, a ponto de provocar a outros graves feridas que dificilmente serão saradas. Não sou escritor, nem para lá caminho. Escrevo o que sinto, apenas pretendo que a minha escrita tenha a sua própria lógi-ca, que seja séria e aceitável. Sinto-me seriamente condicionado porquanto a minha formação académica, que por razões alheias á minha vontade ficaram muito além dos meus objectivos. Basta-me pensar nisso, para que estas humildes mas sinceras palavras tenha para mim um valor que muitos não lhe poderão dar. Contudo todos os leitores deste blog ao lerem este meu humilde comentário podem enriquece-lo se pensarem que nele foi depositada toda a sensibilidade do seu autor.
Ao percorrer um caminho espinhoso, ao voltar uma rua, cada qual pode julgar-se no passado. Até nas economias mais adiantadas, um antigo passado material insere as suas presenças residuais que se apagam sob os nossos olhos, mas com uma lentidão e nunca da mesma maneira. Acontece-me em alguns casos ultrapassar a fronteira do razoável, para expor as indiscutíveis realidades do mundo que habitamos. E é isto que dá sentido a minha vida e ao meu trabalho: se não puder ver tudo, ao menos situar tudo á escala necessária do mundo.
É certo que a vida material se apresenta logo ao principio sob a forma anedótica de milhares e milhares de factos diversos, atribuindo-lhe uma importância que jamais tiveram. Amigo Gonçalo desejo-lhe muitas felicidades para o seu futuro, e nunca se esqueça que se cada um de nós contribuísse com a sua parcela para tornar mais belo este mundo as aflições daqueles que sofrem poderiam ser minoradas.