quinta-feira, 11 de maio de 2006

Teoria da Felicidade: Saúde ou Amor?


Há uns meses atrás, durante um rigoroso estudo de Gestão em Enfermagem, recheado de esquemas e modelos de bem gerir, caiu em mim a teoria da felicidade sob a forma de uma luz espiritual...
Assim, num abrir e fechar de olhos, desenhei um grande quadrado que simbolizava o ambiente externo, constituído por factores como a sociedade, a sua cultura e costumes...Bem no centro desse quadrado, coloquei um circulo com a palavra Saúde, e à sua volta três círculos, dependentes entre si e dependentes do circulo central, com as respectivas designações: Amor, Família/Amigos e Sucesso Profissional...
Algo que me fez pensar foi o facto da base da felicidade ser a Saúde em vez do Amor, ao contrário do que eu defendia...Mas será que há amor sem saúde? E saúde sem amor? De facto é uma questão algo polémica e que ainda não encontrei uma resposta consensual, porque se o amor é a fonte da felicidade, porque razão crianças em África continuam a nascer, crescer e morrer sem alimento que lhes console o corpo e a alma? Neste caso, de nada serve o amor se não temos o alimento que nos dê a saúde necessária para amar...E haverá alguém que, estando doente, sentindo-se desequilibrado consigo e com os outros, tenha condições para amar e ser feliz?
Apesar de tudo, acredito que o amor sem saúde pode causar felicidade, basta imaginar o caso de doentes terminais que finalizam a sua caminhada com um sorriso e paz de espírito espelhados no rosto, como prova do amor e carinho transmitido pelos seus entes mais queridos...E muitas vezes é esse amor que lhes dá uma réstia de esperança na recuperação, para continuar a amar a vida...Amor que também poderá escassear e desequilibrar o ser humano para a doença...
Espero que se divirtam a desenhar mentalmente a felicidade como eu a imaginei, e que ajudem-me a encontrar resposta a esta questão, principalmente quem já esteve doente e quem já amou...Já agora, sejam felizes de que maneira fôr;)

2 comentários:

clau disse...

a ideia de que um amor pode mover montanhas é cada vez mais presente no meu ideal de felicidade. a saude pode estar bem melhor quando amamos, principalmente quando nos amamos a nós proprios, quando vivemos de bem com a vida...não axo que seja importante colocar algo no centro da felicidade, para mim a felicidade não é a meta, é o caminho, são as pequenas vitorias, os pequenos sorrisos, quer sejam devido ao amor, à saude, aos amigos, à familia...a felicidade é uma busca que a cada dia nos faz sorrir por pequenas coisas que acontecem.

Anónimo disse...

Não existe um ser que seja feliz a vida inteira. O que qualifica a vida é essa busca constante pela felicidade...Melhor...a busca não. A entrega. Acho que o "ser feliz" compreende bem mais que sorrisinhos e alegria instantânia.
Ser feliz é sentir dor também. É saber sentir dor. Até porque esses dois sentimentos podem ser opostos, mas um não existe sem o outro
beijinho...Né