sexta-feira, 12 de junho de 2009

Gerês: umas férias com pouco efeito!

As expectativas eram grandes, antes da partida. Expressões como “paraíso”, “beleza natural” e “sítio mais bonito de Portugal” foram proferidas por pessoas conhecedoras do Gerês, encantando-me ainda mais para a opção de férias escolhida.

Após um caminho atribulado de encontros e desencontros, curvas e contracurvas, deparei-me com um espaço montanhoso, verde e dividido pelo rio Cávado, ao qual a mão humana já colocaria uma barragem, a “Barragem da Caniçada”.

No primeiro dia, o tempo foi dispendido praticamente na aquisição de um quarto agradável e com uma relação qualidade-preço interessante. Apesar do extenso tempo dispendido, o que não falta no Gerês são espaços deste género, relativamente baratos, confortáveis e com vistas para o rio magníficas, principalmente à noite quando o rio era o espelho das luzes da montanha.

No dia seguinte, subida às serras de carro, no intuito de descobrir um espaço de realização com a natureza, espaço esse que não encontrei, ficando apenas sensibilizado com a Barragem de Vilarinho das Furnas. No regresso à Barragem da Caniçada, parei em S. Bento da Porta Aberta e senti a habitual diferença entre o ruído exterior e a paz harmoniosa da Igreja. Por momentos lembrou-me Fátima, pela energia e pelo cheiro a velas queimadas como sinal de promessa!

Chegando de novo à Barragem da Caniçada, voltei a subir o Gerês, agora por outro lado, e quanto mais explorava, mais tinha a sensação de que o Gerês era um espaço banal de montanha, pedras e arbustos e que para tal também encontraria na vizinhança da minha casa em Coimbra.

Decidi parar o carro e iniciar um trilho com a esperança de ver por dentro o que ainda não tinha visto por fora. Segui o “Trilho dos Currais” e o que vi foi mais do mesmo, tendo grandes dificuldades em encontrar um espaço seguro e confortável entre a natureza. A vontade era tanta de estar em equilíbrio com o Universo que tive de realizar uma auto-cura de Reiki sobre um piso íngreme e coberto de seixos. Escusado será dizer que não foi o meu melhor momento com a verdadeira natureza…

Enfim, não tomo o Gerês como um espaço de rejeição definitiva, porque acredito que o maior erro possa ser meu, uma vez que não planeei convenientemente este passeio, servindo-me de “uma rota à deriva”. Sendo assim, fica a intenção de regressar ao Gerês noutro momento com uma melhor preparação, ou de explorá-lo com uma guia turística particular. Aceitam-se convites! :)

10 comentários:

kathy disse...

Pah... O geres tem sitios fantasticos... desde quedas de agua a miradouro incriveis. Chegaste a ir a São Bento da Porta Aberta? E ao santuário da Senhora da Abadia?


Mas passear a serio e explorar aquelas aldeias fantasma em que só te ouve ate próprio é na Serra da Freita (Arouca)...

A minha mãe é de perto do Gerês e o meu pai era de Arouca, e eu sempre tive um maior carinho por Arouca devido as pessoas que lá habitam e dos locais pouco explorados que aquela zona tem que são absolutamente fantásticos...

Huma Senhora disse...

Pois...tenho amigos verdadeiramente fãs do Gerês, já eu partilho um pouco da tua opinião, as várias vezes e locais que fui não me surpreenderam (terá a ver com expectativas talvez...).

Sandruela disse...

Por acaso foste à Pedra-Bela, à cascata da Ermida,ao Miradouro velho,à reseva natural perto da Portela do Homem, ou mesmo à Portela do Homem?
Ao Santuário da Sra da Peneda?
A Pitões das Júnias?
Não?
Então, não sei o que foste lá fazer...

White Angel disse...

Me Amigo,

Muito tarde, muito cansada, ter de levantar cedo e perdida de sono, impediu-me de levantar e ir ter ao teu encontro...:(
Com tempo e bem combinado, um dia destes eu levo te a ver esses lugares que abumdam no Gerês e que muito pouca gente conhece.
Se bem entendi andaste por sitios onde toda a gente conhece, a zona mais popular, a zona cuja mão humana ja tudo adulterou...

Tinhas de abandonar o carro e ir a pé. O trilho dos Currais, é so para ver Currais e um dos menos aconcelhados em dias de calor... muito sol... muito ingreme... e so 3 ou 4 currais para ver...

Abraço muito forte.
White Angel

Gonçalo disse...

Kathy:

Passei por São Bento da Porta Aberta como referi mas não se enquadrava naquilo que esperava, o Santuário da Senhora da Abadia julgo que nem o vi...fica para a próxima!

Arouca é uma possibilidade interessante, dado estar bastante próximo... A rever!

Gonçalo disse...

Huma Senhora:

Julgo que terei de dar uma segunda oportunidade ao Gerês...talvez um dia haja um post com as Maravilhas do Gerês :)

Gonçalo disse...

Sandruela:

Pois, sendo assim, também não sei o que fui lá fazer...:P

Beijinhos e continuação de boas férias;)

Gonçalo disse...

White Angel:

Linda, não fiquei magoado contigo, a culpa foi minha que não planeei as coisas atempadamente e julguei que a distância até Guimarães era menor.

Aceito o convite, apresentas-me o Gerês numa próxima vez, quero ver natureza no seu mais belo requinte...e o trilho dos Currais é enfadonho e muito ingreme como referes, longe da tal natureza!

Beijinhos grandes***

Eli disse...

Como tens a ousadia de falar em convites quando eu te fiz uns tantos e tu nunca foste?! Shame on you!

Agora... foi-se!

lol

:)

Gonçalo disse...

Eli:

Ainda tenho esperança que vás trabalhar para Castro Laboreiro :P

Beijufas****