sexta-feira, 7 de março de 2014

Brisa da Música: Aquela Canção




Aquela Canção

É tarde e a cidade parece dormir 
E eu quero ficar acordado 

Perguntas-me o porquê de me estar a rir 
Tenho o segredo mais bem guardo 

E no abraço apertado 
Cantamos aquela canção 

Entre a pressa e o desejo 
Secreta paixão 
Rodamos entre 4 paredes 

Com a força de um beijo 
Tiras-me o chão Corpo seco, que mata a sede 

E ri-mos como crianças 
Talvez já nem haja amanhã 

Como a força do mar num porto qualquer 
És a calma de um rio nessa pele de mulher 
Como chama que arde e se apaga a seguir 
És passado, és presente 
És futuro que há-de vir 
Como o ar que me falta e se aperta no peito 
És a palavra certa no poema perfeito 
Como brisa que vem numa tarde de Verão 
És a voz no silêncio… 

És aquela canção… 2x

1 comentário:

Carolina Tavares disse...

És a calma de um rio...

Gosto deste cantor compositor. Letras lindas que falam ao coração.

Beijos