terça-feira, 14 de abril de 2009

Tiago Bettencourt merecia mais!

Numa noite fria e ventosa, num parque de exposições que agrava ainda mais as condições atmosféricas, a voz quente e poderosa de Tiago Bettencourt não chegou para aquecer a noite e arrastar mais público à Feira de Março neste último sábado.

Cheguei quando o espectáculo já teria começado há poucos minutos, e deparei-me com um cenário desolador de “três gatos pingados” à frente do palco, encolhidos com o frio, e mais expectantes que interactivos. Fiquei surpreso quando comparo a verdadeira multidão que encheu a Feira no ano passado com a vinda de João Pedro Pais, onde lembro-me de olhar para trás e vislumbrar apenas cabecinhas empertigadas, enquanto desta vez apenas vislumbrava, ao fundo, os vendedores de barraca com o negócio às moscas.

Tiago Bettencourt, talvez envolto no clima de apatia reinante no Parque, não mostrou tanto o seu lado tímido e castiço que já me habituou, intervindo pouco entre as músicas e com um sentido de humor natural menos apurado. O som não tinha a melhor qualidade devido a algumas interferências, mas mesmo assim, Tiago Bettencourt não se escusou de mostrar o seu imenso talento vocal, cantando no seu tom alto, poderoso e afinado, e com a voz genuína que marca os grandes cantores. Além disso, revelou um talento especial para o piano, mostrando destreza e velocidade estonteante com as teclas, principalmente no final do tema “O Campo”. Ufa, impressionante!

Depois de interpretar temas fortes e agressivos como “Fim da Tarde”, “Labirinto” e “Jogo”, terminou com o seu grande sucesso nos Toranja, interpretando e despedindo-se com a “Carta” e com o meu desejo de um regresso próximo aos seus concertos, mas com maior envolvimento afectivo entre o público e o artista.

Enfim, venha o próximo!

5 comentários:

Silvia F. disse...

Deve ser das piores experiências para um artista cantar nessas condições. Ele não merecia isso, sem dúvida.

Bem-vindo de novo, espero ler-te mais vezes!!

Beijinhos :)

Gonçalo disse...

Sílvia:

E no meio disto tudo, é curioso pensar que os concertos mais assistidos são os melhor remunerados e vice-versa. Não serão mais prazerosos os concertos com melhores assistências? A lógica na música e em outras actividades é outra, mas fica a reflexão;)

Beijinhos e vais continuar a ler-me mais vezes:)

Casemiro dos Plásticos disse...

É triste assim, ele merece muito mais, é um senhor e haverá mais e melhor!
abraço

Eli disse...

Este há-de sempre fazer lembrar-

-nos.

:)

"Só nós dois é que sabemos"

:)

Gonçalo disse...

Eli:

Por sinal, também eu respondo aos comentários ao ouvir "Só nós dois é que sabemos"! Sublime :)