sábado, 7 de outubro de 2006

Recém-Licenciado/Desempregado


Faz hoje 73 dias que estou no desemprego sem fundo...

No meu ano de caloiro julgo que as entradas inicialmente previstas eram cerca de 160 estudantes, mas acabaram por entrar 200, sem dúvida um número coerente com os estudos de mercado que tem sido feitos...Depois, durante o curso fartei-me de ter que destacar que estava num “Curso de Licenciatura em Enfermagem”, que a exigência era maior, que sairia com um título mais respeitável,...Se isso fosse sinónimo de maior qualidade de ensino e saída profissional breve até aceitava mas, em vez disso, sou um recém-licenciado de um “Curso Com Saída Para O Desemprego”, em que os estudos apontam para uma redução no mercado de trabalho mas, mesmo assim, continuamos a assistir à entrada excessiva de estudantes repletos de ilusão...Ainda se o McDonald’s aceitasse recém-licenciados, ainda se compreenderia a importância de tanto investimento, mas para ficar em casa em desinvestimento não se compreende tal posição...Se era para esperar estes dias e mais alguns que estudei durante quatro anos, preferia parar todos os dias num parque de estacionamento e soltar todos os dias as já conhecidas “Venha, venha, venha...destroce, destroce, destroce...” como um típico arrumador de automóveis, pelo menos era uma ocupação mais nobre do que ficar em casa a contemplar as paredes ou a levar com a Floribella...

Enquanto uns ficam em casa a dar injecções na almofada, outros fazem trabalho duplo, movidos por entidades governamentais que exploram os seus profissionais até ao tutano, obrigando-os a preencher o seu e o lugar de milhares de jovens à espera do seu primeiro contributo...Felizes as pessoas e/ou doentes que são cuidados desta forma, de facto bem podem agradecer às entidades superiores a crescente qualidade dos cuidados prestados...Ou sem ironia, bem podem agradecer aos enfermeiros amantes da sua profissão por suarem as estopinhas e procurarem manter a fasquia num nível elevado, fazendo o trabalho de um, dois e às vezes até de mais enfermeiros.

As vagas não surgem e milhares de recém-enfermeiros continuam a assobiar para o ar, esperando que algum dia se lembrem do investimento que foi feito por todas as partes envolvidas, afundando-se o país numa decrescente qualidade dos serviços...Ao menos que se salve o défice...

Enquanto isso, vou seguir o exemplo de hoje, e continuar a dar voltas à mata do Choupal à espera que o telefone toque, sentido pena que o país que tanto adoro dê tantos tiros nos pés...

Um obrigado pela paciência amigos:)

12 comentários:

luis disse...

Nada é mais irritante e enfadonho do que, ao comentar seja que artigo for, perdermos a realidade em devaneios imprecisos e ambíguos quanto a detalhes, ou então desviar-mos constantemente do objectivo da conversa. O assunto não flui enquanto o desconforto e a ansiedade crescem. Os segredos duma boa conversa são a objectividade, não misturemos assuntos, devemos ser concisos e não dizer em 50 palavras o que se pode dizer em 10. É por isso, Gonçalo, que para comentar este teu artigo apenas me surge o seguinte: Tenham vergonha Srs politicos...Não hipotequem o futuro de todos nós...este país está num estado paupérrimo.
Um abraço.
Luis Santa

Anónimo disse...

O arsenal de Universidades que emergem assinalam para um mercado de trabalho bastante promissor onde a demanda de profissionais se torna necessário para um país em constante desenvolvimento porém, dentre as políticas públicas, observa-se o contrário haja vista a gama de profissionais desempregados sem perspectivas tendo em vista a omissão dos governos diante do quadro atual.
"Será este um país onde se pode sonhar em uma vida mais dígna? "
Esta pergunta se torna constante entre os jovens que sonham por um dia se realizar, por amor a missão vocacional que Deus lhe concede e que por vezes a ignorância humana se torna um obstáculo para concretização do seus ideais.
Os obstáculos sempre existirão para que diante da conquista possamos olhar para trás e chegar a conclusão de que toda dor serve como crescimento para as almas que almejam patamares sendimentados no amor ao próximo e a ignorância humana temporariamente se rejubila mas jamais triunfará pois a justiça mesmo que tarde é fiel.
Eis um testemunho para melhor ilustrar esta reflexão:
"Conquistei meu espaço porque naquele momento Deus permitiu, a fé é tudo para os coração que temem à Deus. Coragem!!! Acredite, Deus sonda os corações e conhece a necessidade de cada um."
GON, VC É UM JOVEM INTELIGENTE, CAPAZ E TERÁ SEUS MÉRITOS RECONHECIDOS. CONFIE.

Anónimo disse...

O arsenal de Universidades que emergem assinalam para um mercado de trabalho bastante promissor onde a demanda de profissionais se torna necessário para um país em constante desenvolvimento porém, dentre as políticas públicas, observa-se o contrário haja vista a gama de profissionais desempregados sem perspectivas tendo em vista a omissão dos governos diante do quadro atual.
"Será este um país onde se pode sonhar em uma vida mais dígna? "
Esta pergunta se torna constante entre os jovens que sonham por um dia se realizar, por amor a missão vocacional que Deus lhe concede e que por vezes a ignorância humana se torna um obstáculo para concretização do seus ideais.
Os obstáculos sempre existirão para que diante da conquista possamos olhar para trás e chegar a conclusão de que toda dor serve como crescimento para as almas que almejam patamares sedimentados no amor ao próximo e a ignorância humana temporariamente se rejubila mas jamais triunfará pois a justiça mesmo que tarde é fiel.
Eis um testemunho para melhor ilustrar esta reflexão:
"Conquistei meu espaço porque naquele momento Deus permitiu, a fé é tudo para os coração que temem à Deus. Coragem!!! Acredite, Deus sonda os corações e conhece a necessidade de cada um."
GON, VC É UM JOVEM INTELIGENTE, CAPAZ E TERÁ SEUS MÉRITOS RECONHECIDOS. CONFIE.

andreia disse...

oi gonçalo!
o quanto compreendo a tua tristeza... o quanto me custa ver tantos colegas e amigos a viver a my situaçao!
vivemos momentos tao bonitos naquela escola que nos acolheu para agora chegar ao fim e... desesperar!
e o pais em que vivemos! quando fui chamada so pude agradecer.. cheguei la baixo e deparei-me c colegas e colegas a fazer duplos e triplos! assusta lembrar que para eles o fazerem tanta gente ta em casa...
pior de tudo.. quando vais render alguma dessas colegas.. e ves o estado em que deixaram ficar os utentes.. a desculpa.. o cansaço! pois ta claro q andam cansadas..e os utentes q culpa tem disso?! e o mundo em que vivemos... a triste e cruel realidade!
força gonçalo! vive 1 dia de cada vez e n desesperes! algo ha-de aparecer!
beijo**

sofia disse...

O Desemprego é talvez, e a meu ver, uma das “profissões” que mais pessoas acolhe no nosso pais. Infelizmente custa-me pensar e saber que é assim. Hoje em dia conheço várias pessoas que depois de uma licenciatura não conseguiram sequer ter o gosto de dizer que pela primeira vez na vida tiveram o prazer de exercer a profissão que sempre quiseram. Esta questão hoje faz-me pensar bastante porque para alem de ser uma jovem ainda em fase de licenciatura sei que daqui a alguns anos estarei provavelmente na tua posição e na de muitos e muitos portugueses recém-licenciados. Como já tive oportunidade de te dizer no ano passado fiz vários amigos finalistas de cursos diversificados, na área do Ensino, da Gestão e da Medicina, inclusive. Todos eles terminaram a licenciatura em Junho ou Julho do corrente ano. Eram cerca de 20 colegas, maioritariamente estudantes na ESE, na ES de Enfermagem e na ESTG, tudo no Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Hoje, depois das minhas férias e não tendo tido a oportunidade de o saber antes, sei que de entre eles apenas 3 colegas estão a trabalhar e aquilo que mais me impressionou foi o facto de serem pessoas que hoje leccionam disciplinas de Educação Visual e Tecnologia e Educação Física, ou seja, são pessoas que conhecendo a infelicidade de muitas e muitas pessoas na área do ensino, não tiveram o mesmo azar. Sei que são muitos os portugueses com este mesmo azar. Sei que no final de cada ano lectivo surgirão sempre e pelo que vejo, cada vez mais licenciados que ficarão em casa. Esta é a infelicidade de muitas pessoas, pessoas que para fazer o que hoje fazem, profissionalmente, nunca precisariam de um curso, ou mesmo uma licenciatura. Infelizmente esta é a realidade do nosso país Venham anos melhores… é o meu desejo… e a este se junta o de muito querer também que em breve, muito em breve consigas estar a exercer a profissão para a qual sem dúvidas, e a meu ver, nasceste, aquela que também eu já quis exercer, aquela para a qual, já te disse e não me canso de o fazer, não te faltam qualidades nem atributos. O principal tu tens: a enorme vontade de querer ajudar o próximo, dar sem nada querer receber em troca. Isto é bem notório em ti. Lembro-me de uma vez me teres dito que quando te dessem a oportunidade de exercer a tua tão desejada profissão, irias ver num doente jovem uma espécie de irmão, numa pessoa adulta, o teu pai, a tua mãe, um tio, ou uma tia e numa pessoa idosa, o teu avó ou a tua avô. Acredita que estas são palavras bonitas e que só demonstram todo o teu carácter, o carácter de uma pessoa que simplesmente quer ajudar o próximo. Felizes as pessoas que enquanto Seres doentes, passem pelas tuas mãos…
Sei e principalmente acredito que toda esta tua vontade um dia será reconhecida e muito sinceramente espero que tal aconteça em breve, muito em breve. De qualquer maneira, para mim, já és o Enfermeiro Gonçalo Cardoso…;)

Beijinho grande Amigo Enfermeiro…

MissPoetry disse...

Amigo:

A força e a determinação serão essenciais para superares essa fase!
Não desistas, luta e organiza uma estratégia que te permita chegar onde queres!

Beijos

Anónimo disse...

oi gonçalo!
Bem, n te conhecendo pessoalmente, vou colocar aqui também o meu testemunho... Dizem que apenas algumas áreas estão a ser afectadas pelo desemprego, o que é falso dizer. Sou licenciado em Design, uma área que, segundo estatísticas, devia ser muito bem acolhida pelo emprego. No entanto, estou desempregado há mais de 1 ano!!!
Sem ter desistido, pelo menos por enquanto (pois ao pouco vou perdendo a esperança e desistindo de Ser), dia após dia procuro anúncios, visito o centro de emprego (que de nada serve), marco entrevistas, gasto dinheiro em chamadas, em cartas e selos de correio, em internet, em viagens para ir a entrevistas... Cada dia que passa vou arranjando entrevistas em locais cada vez mais longe da zona em que vivo. Sempre com a esperança de ser eu "o tal", o "escolhido", o "vencedor" (lol é que as entrevistas têm-se parecido cada vez mais com um concurso "quem quer ser milionário" do que propriamente uma entrevista de emprego. Então, deparo-me com 40 a 60 (ou até mais) candidatos para uma vaga só...
É desesperante!! :(

Rui

Gonçalo disse...

Olá Rui, compreendo o teu desespero mas aconselho-te a não desistires, nesta fase trabalha-se muita para a cunha ou para a sorte. Se a cunha não depende só de nós, acredita que a melhor opção é trabalhar para a sorte, começar por baixo e subir em crescendo até onde desejamos. Estive 11 meses no desemprego, encontrei uma oportunidade de estágio profissional, algo impensável há poucos anos em enfermagem, e agora tive a proposta aceite para vir trabalhar para o Hospital de Aveiro. Um percurso em crescendo com o sacrifício que começa a dar os seus frutos, por isso aconselho-te a continuares a procurar porque a oportunidade surgírá, enquanto isso não percas tempo e procura valorizar-te ao nível da formação.
Um abraço, fica bem e volta sempre:)

Anónimo disse...

Sou uma Técnica de Diagnóstico e Terapêutica, não sei até quando me poderei considerar "recém-licenciada" uma vez que já completei a Licenciatura há 1 ano e 2 meses. 432 dias de angústia e 431 noites de insónia. Estou farta de fazer estágios não remunerados nos quais não me pagam um tostão, nem subsídio de almoço, nem deslocação, NADA. E eu dou tudo em troca de uma oportunidade para ganhar experiência e para ajudar as pessoas, para aprender, para evoluir. Nada disto é valorizado, pelo contrário, quanto mais tempo passa mais me ignoram e menos se importam.
O desespero começa a bater fundo e já se pensa em desistir.
Deixo este comentário como Anónimo em homenagem aos tantos Recém-Licenciados Anónimos que vão passar mais uma noite mal dormida e angustiada.

Gonçalo disse...

Anónima:

A homenagem é bonita! A minha sugestão é esta: para evitarem serem recém-licenciados desempregados ou deixarem de serem recém-licenciados mas ainda sem emprego, o que ainda é mais grave, procurem dar continuidade à vossa formação ou ponderar uma oportunidade no estrangeiro. A ideia passou pela minha cabeça e há situações insustentáveis que apelam a decisões drásticas. E quem sabe se lá fora as condições não serão melhores a todos os níveis...

Saudações especiais a todos os recém-licenciados desempregados!

Anónimo disse...

Sim, em breve espero encontrar trabalho no Reino Unido. Aguardo, por enquanto, a conclusão do processo de registo profissional. Já tinha tentado procurar no estrangeiro antes mas não tinha experiência. E mesmo agora, é-lhes difícil compreender o que são estágios profissionais não remunerados, pois isso simplesmente não existe nos restantes países europeus.
Enquanto espero a conclusão do processo burocrático continuo a minha formação. Mas apenas com o intuito de me ser útil no estrangeiro, pois aqui nada faz a diferença para além das cunhas.

Gonçalo disse...

Anónimo:

Compreendo a tua frustração, também já me senti assim e apesar de ter um espaço relativo na enfermagem em Portugal, percebo a questão das cunhas e a falta de reconhecimento para os enfermeiros em Portugal. Se não tenas emprego em POrtugal e amas a enfernagem, tens o meu apoio, Reino Unido é o caminho!

:)


Saudações caro colega!